Sistema Fecomercio Sesc Senac IPDC

Natal movimentará R$ 320 milhões no comércio de Fortaleza

Natal movimentará R$ 320 milhões no comércio de Fortaleza

Mais um ano e o Natal se consolida como a data comemorativa mais importante para o varejo. De acordo com a Pesquisa sobre o Potencial de Consumo do Fortalezense para o Natal, 50,6% dos consumidores irão às compras neste ano, movimentando R$ 320,0 milhões no comércio varejista local. O resultado é superior +4,0% sobre o valor faturado em 2018 (R$ 307,4 milhões). A pesquisa é realizada pela Fecomércio-CE, através do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento do Ceará (IPDC).Os consumidores deverão gastar R$ 388 na compra dos presentes, com uma média de 3,3 compras por consumidor. A intenção de consumo e o número de presentes que se deseja comprar estão diretamente relacionados com a renda familiar. Dentre aqueles que já se decidiram pelos presentes, há uma leve vantagem dos consumidores do sexo masculino (51,3% de resposta afirmativa), preponderância do grupo com idade entre 21 e 35 anos (60,0%) e do estrato com renda mensal superior a seis salários mínimos (74,4%).

Semiduráveis lideram a intenção de compra
Os produtos mais procurados variam pouco ano a ano, com clara predominância dos bens semiduráveis, com destaque para os artigos de vestuário e acessórios, com 65,7% de intenção de compra; brinquedos (42,3%); calçados, cintos e bolsas (23,0%); itens de perfumaria e cosméticos (12,4%) e aparelhos de telefonia celulares e smartphones (5,8%).

Liderando a lista dos itens mais procurados, os artigos de vestuário e acessórios foram citados por 65,7% dos entrevistados, com procura mais acentuada pelos homens (67,6% de resposta afirmativa), do grupo com idade até 20 anos (67,6%) e da classe com renda familiar mensal entre três e seis salários mínimos (72,5%).
Os brinquedos aparecem em 42,3% das respostas, tendo como perfil do consumidor predominando as mulheres (42,5% de resposta afirmativa), do grupo com idade acima de 36 anos (46,7%) e do estrato com renda familiar mensal entre três e seis salários mínimos (48,8%).

Em seguida, calçados, cintos e bolsas foram citados por 23,0 dos entrevistados, principalmente pelas mulheres (23,8% de resposta afirmativa), do estrato com idade entre 21 e 35 anos (26,7%) e do agrupamento com renda familiar mensal entre três e seis salários mínimos (26,0%).

Os itens de perfumaria e cosméticos apresentam intenção de compra de 12,4% dos consumidores, com predomínio do grupo de sexo feminino (16,3% de resposta positiva), da classe com idade entre 21 e 35 anos de idade (17,6%) e das pessoas com renda familiar mensal superior a seis salários mínimos (28,2%).
Finalmente, os aparelhos de telefonia celular e os smartphones foram citados por 5,8% dos entrevistados, destacando-se os consumidores do sexo masculino (8,7% de intenção de compra), do grupo com idade até 20 anos (17,2%) e do estrato com renda familiar superior a seis salários mínimos (9,6%).

Consumidor prefere pagamento à vista

O faturamento previsto de R$ 320 milhões trará uma relevante injeção de liquidez no comércio varejista, tendo em vista que 58,2% dos consumidores pretendem pagar suas compras à vista, em dinheiro ou usando cartão de débito. As vendas a prazo se darão majoritariamente com o cartão de crédito, que será responsável por 39,8% das vendas.
Quanto ao possível local de compra, destacam-se os shopping centers (48,0% das respostas), os centros comerciais (31,7%) e as lojas de rua (27,3%), sugerindo movimento intenso em todo o comércio.
Apesar de que grande parte dos consumidores não declararem dia específico para as compras (49,8%), a conveniência de funcionamento é fator essencial para o atendimento do consumidor, já que 42,1% dos entrevistados mostrarem preferência pelos finais de semana.

Voltar