Sistema Fecomercio Sesc Senac IPDC

Liquidações em janeiro são oportunidades para adaptar estoque

Liquidações em janeiro são oportunidades para adaptar estoque

As tradicionais liquidações realizadas nos meses de janeiro são uma forma de o varejista ajustar seu estoque e começar um novo ano com uma melhor gestão dos produtos armazenados. Se, por um lado, o consumidor já espera por promoções após o Natal, por outro, o empresário tem a oportunidade de iniciar 2019 com um planejamento financeiro mais eficiente. Isso porque o estoque em desequilíbrio afeta diretamente o capital de giro empresarial.
A injeção do décimo terceiro salário e as compras natalinas tendem a aumentar as vendas no varejo paulista em até 30% em dezembro em comparação com os outros meses do ano. A depender do comportamento dos consumidores em dezembro, esse fortalecimento do orçamento familiar pode se estender até janeiro, época dos clássicos feirões de saldos, e isso reflete no Índice de Estoques (IE), apurado mensalmente pela Fecomércio-SP.

Apesar da natural volatilidade do indicador ao longo do ano, em novembro, 56,9% dos entrevistados declararam estar com o volume ideal de mercadorias (sem falta e excesso de produtos). O número é próximo à média histórica pré-crise de 60% e indica que janeiro pode ser um mês decisivo para o equilíbrio definitivo dos estoques.

Tipos de produtos

O tipo do produto vendido é relevante para definir se haverá liquidações em janeiro. Se os produtos são perecíveis (especialmente os natalinos, como alimentos típicos), as liquidações são obrigatórias pois a demanda após o Natal cai drasticamente. No caso de itens não perecíveis (até os sazonais como enfeites), as promoções podem ser menos agressivas ou nem serem feitas. O lojista precisa avaliar se haverá custo adicional em estocar as mercadorias até o próximo ciclo de vendas ou se há urgência em aumentar o capital de giro.

Outro fator é ter planejado o estoque para o período com antecedência, porque entrar num novo ano com estoques exagerados aumenta a necessidade de caixa e/ou de se livrar de um estoque, o que tende a elevar os descontos oferecidos aos consumidores.

Os segmentos de eletroeletrônicos e eletrodomésticos e vestuário também costumam aderir as promoções depois das festas de fim de ano para ajustar os estoques e abrir espaço aos novos produtos a serem lançados.

Atraindo novos consumidores

As liquidações, de acordo com a assessoria econômica da Fecomércio-SP, também têm a finalidade de aumentar o fluxo de caixa e atrair novos clientes, mas o empresário deve ter cuidado na redução do preço de venda dos produtos. É preciso considerar valor de custo da mercadoria, impostos, despesas fixas (como aluguel e salários), gastos variáveis (contas de água, energia, horas extras e fretes) e lucro pretendido. É este último tópico que pode ser alterado para garantir o preço mais competitivo.

Em alguns momentos, é preferível vender a mercadoria com preços reduzidos, sacrificando parte do lucro, a tentar manter a margem de lucro e não conseguir desovar o estoque. Eventualmente, os resultados de curto prazo com as liquidações comprometem a operação de varejo no longo prazo. Convém destacar que promover uma queima de estoques tem custos. Os mais visíveis são os de marketing e divulgação dos eventos promocionais.

Atenção

É compreensível que, após alguns anos de uma crise que afetou todo o varejo, muitas empresas tenham urgências financeiras que levem a decisões extremas. Mas usar automaticamente a tática de liquidações, saldões e promoções sem um mínimo planejamento pode ser prejudicial à empresa.

Não é recomendável a realização de promoções indiscriminadamente, pois isso induz o consumidor a apenas comprar quando ocorrem promoções e prejudica a imagem da empresa, colocando em dúvida se os produtos estão realmente com desconto ou se as promoções na verdade são o dia a dia da empresa. As épocas propícias para esses eventos não devem coincidir com o momento em que o consumidor está com maior folga no orçamento, ou seja, nos dias de pagamento em cada mês. Existem promoções de Natal feitas com muita antecedência e essa estratégia reduz as margens das empresas justamente nos melhores momentos do ano para o varejo.

Portal CNC

Voltar